12 maio 2007

O que é ser politizado?

Ótima questão levantada pelo cientista político Emir Sader, na Revista Caros Amigos. Segue o artigo.
"Ser politizado é entender como funcionam as relações de poder em cada sociedade e no mundo em geral. É compreender que, por trás das relações de troca no mercado existem relações de exploração. Que, por trás das relações de voto, existem relações de dominação. Que, por trás das relações de informação, há um processo de alienação.Ser politizado, no mundo de hoje, significa compreendê-lo no marco das relações capitalistas de acumulação e de exploração. Representa entender o mundo no marco da hegemonia imperial estadunidense, baseada na força militar e na propaganda do modo de vida estadunidense.Ser politizado é compreender que tudo o que existe foi produzido historicamente, pelas relações entre os homens e o meio em que vivem. Ou melhor, entre os homens, intermediados pelo meio em que vivem. E que, portanto, tudo o que foi construído pelos homens pode ser desconstruído e reconstruído. Que tudo é histórico. Que a própria separação entre sujeito e objeto - que nos aparece como "dada" - é produzida e reproduzida cotidianamente mediante relações econômico-sociais alienadas.
(...)
E o que é ser despolitizado?
Já ser despolitizado é achar que as coisas são como são porque são como são, sempre foram assim e sempre serão. É considerar que as pessoas sempre buscam tirar vantagens que não têm grandeza para lutar desinteressadamente por um mundo melhor. Que o que diferencia as pessoas é a ambição de melhorar na vida, que a grande maioria não tem jeito mesmo.Entre o ser politizado e o despolitizado está a alienação, a falta de consciência da relação entre nós e o mundo. Alienar é entregar o que é nosso para outro - como diz a definição jurídica em relação a bens. Ser alienado é não perceber a presença do sujeito no objeto e vice-versa, sua vinculação indissolúvel.A luta pela emancipação humana é uma luta contra toda forma de exploração, de dominação, de discriminação, mas, antes de tudo e sobretudo, uma luta contra a alienação - condição de todas as outras lutas."
Fonte: Revista Caros Amigos, abril de 2007.

2 comentários:

Bráulio disse...

Hegemonia imperial estadunidense, uma bela e delicada maneira de se falar: Americanos F.D.P.
Gostei da definição de politizado, só não entendi o significado da frase: "que nos aparece como "dada"", na penultima linha.

Ecetista Concurseiro disse...

Não acredito que o povo brasileiro (pelo menos sua maioria) seja politizado. O povo brasileiro só se lembra de política nos meses de julho, agosto e setembro, nos anos pares quando temos o famoso horário político eleitoral gratuito. Vamos a um exemplo de como o brasileiro pouco ou nada se importa com a política? Perguntemos a alguém mais próximo em quem ele votou na eleição federal passada (deputados, senadores etc). Se ele souber responder, questionemos sobre a eleição de 2006. Observará que poucos se lembram. Mas, por outro lado, ao indagarmos uma dona de casa sobre o final de uma novela que passou na década de 90, que ela contará com detalhes. Enganado? O calcanhar de Aquiles do pobre é a educação. Agora imaginemos, no povo brasileiro, em seus milhões de habitantes, quem consegue compreender a Constituição? Aliados a isso, os enriquecimentos ilícitos de nossos “representantes” a cada dia que passa, desestimulam ainda mais a crer que a política tem solução. Todo o poder tende a corromper e o poder absoluto (que o povo concede aos políticos) corrompe absolutamente. Com relação ao papel e á atuação da mídia, essa é, e sempre foi, mais doutrinária do que informativa, criando um padrão de vida e pensamentos pré-fabricados para as pessoas. Assim, o povo vai "deixando a vida levar", como já dizia a letra da música.