26 dezembro 2006

O corpo fala. O corpo pede.


.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
"É preciso amar, sabe?
Ter-se uma mulher a quem se chegue,
como o barco fatigado à sua enseada de retorno.
O corpo lasso e confortável, de noite, pede um cais.
A mulher a quem se chega, exausto,
e, com a força do cansaço,
dá-se o espiritualíssimo amor do corpo
."
Antônio Maria

Um comentário:

Dona Flor disse...

Gostei muito do seu blog, Alexandre. Especialmente por sua característica plural. Espero que você continue comentando questões econômicas e políticas, mas nunca esqueça de deixar-nos também um pouco de poesia.